Uma viagem pela região do Champanhe - Wine & Executive Club
18658
post-template-default,single,single-post,postid-18658,single-format-standard,theme-bridge,qode-quick-links-1.0,woocommerce-no-js,ajax_fade,page_not_loaded,,paspartu_enabled,paspartu_on_bottom_fixed,columns-3,qode-product-single-tabs-on-bottom,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive
 
Uma viagem pela região do Champanhe

Uma viagem pela região do Champanhe

O que nos une a cada encontro promovido pelo Wine & Executive Club é a paixão pelos vinhos. Juntos, vamos descobrindo regiões vitivinícolas e castas e, assim, aumentando as garrafeiras de acordo com os conhecimentos adquiridos. Com esse objectivo, juntamos ao calendário de eventos um encontro mensal no formato de masterclass, para um grupo exclusivo. O primeiro foi dedicado ao Champanhe e aconteceu no Intercontinental Cascais-Estoril, conduzido por Alejandro Chávarro.

Os quatro champanhes em prova levaram-nos até França, à região de Champanhe, declarada Património da Humanidade pela UNESCO em 2016, única pelas suas características e protegida por lei, assegurando que apenas os vinhos daquela região são assim denominados. No copo, a viagem foi de sul para norte, ganhando complexidade nos sabores, enquanto fomos conhecendo produtores independentes que praticam uma agricultura biológica e que trouxeram novas abordagens a uma das bebidas mais apreciadas no mundo inteiro.

Descobrimos o Résonance, de Marie-Courtin, 100% pinot noir; o Arpègeblanc des blancs, de Pascal Doquet, 100% chardonnay; uma assemblage das três castas mais emblemáticas do champanhe – chardonnay, pinot noir pinot meunier – da tradicional casa Bérêche & Fils; e o Rosé de Saignée, 100% pinot meunier, de Jaunaux Robin. No final, uma surpresa fora do programa, o Tarlant, um rosé cru, brut nature, com 50% chardonnay, 44% pinot noir e 6% pinot meunier, produzido por Benoît & Mélanie Tarlant, a 12ª geração da família, desde 1687.

E porque não há métodos eficazes para preservar uma garrafa de champanhe após aberta, a prova foi até à última bolha. O colombiano Alejandro Chávarro, depois de 15 anos de experiência na restauração em França, com passagem por vários restaurantes com estrela Michelin, experiência na importação e exportação de vinhos, e residente em Portugal há três anos, partilhou histórias e curiosidades sobre a produção com o método champenoise, o armazenamento, a modernização do perfil dos néctares promovido pela nova geração de viticultores que deu a conhecer.

Em Novembro voltamos à mesa das provas para mais uma Master Class WEC

Para mais informações: geral@wineexecutiveclub.com